Eu, uma máquina

   
 

   Sou uma máquina, mas não daquelas inteligentes que guiam as pessoas de acordo com suas necessidades. Eu sou guiado, e todas as minhas ações e vocábulos são repetições ensinadas por quem me controla.

   Sou eficiente, meus mecanismos satisfazem a sociedade capitalista. Não faço escolhas , questiono ou opino sobre nada, enquanto assim for, todos estarão felizes.

   Sou uma máquina. Faço meu trabalho com satisfação, assim como as muitas máquinas que servem; uns produzindo, outros consumindo, e quem nos controla enriquecendo.

   Sou necessário, apesar de ser desvalorizado e muitas vezes ridicularizado. Faço parte da base que sustenta o topo, e sem a base tudo desmorona, e o peso some. Talvez eu não queira ser máquina, ou controlado, ou base... Servi-los não é tão bom assim... Não gosto deles pensando por mim... Esse peso desconforta-me...

   Acho que esse pensamento fez-me humano.


3 comentários:

  1. Bela reflexão, temos que nos deixar de sentir assim uma máquina, ou ao menos de sermos controlados e agirmos por nossas proprias influências. Beijos
    www.tamoderna.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu blog!
    Seguindo, segue de volta?
    http://momentopenelopebyangel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. linda a reflexao adorei muito
    bjs
    clubedabelezaemaquiagem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir